Cremos que Deus criou o homem do pó da terra [1], e o fez e formou conforme sua imagem e semelhança: bom, justo e santo [2], capaz de concordar, em tudo, com a vontade de Deus. Mas, quando o homem estava naquela posição excelente, ele não a valorizou e não a reconheceu. Dando ouvidos às palavras do diabo, submeteu-se por livre vontade ao pecado e assim à morte e à maldição [3]. Pois transgrediu o mandamento da vida, que tinha recebido e, pelo pecado, separou-se de Deus, que era sua verdadeira vida. Assim ele corrompeu toda a sua natureza e mereceu a morte corporal e espiritual [4].
Tornando-se ímpio, perverso e corrupto em todas as suas práticas, ele perdeu todos os dons excelentes [5], que tinha recebido de Deus. Nada lhe sobrou destes dons, senão pequenos traços, que são suficientes para deixar o homem sem desculpa [6]. Pois toda a luz em nós se tornou em trevas [7] como nos ensina a Escritura: “A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela” (João 1:5). Aqui o apóstolo João chama os homens “trevas”. Por isso, rejeitamos todo o ensino contrário, sobre o livre arbítrio do homem, porque o homem somente é escravo do pecado e “não pode receber coisa alguma se do céu não lhe for dada” (João 3:27). Pois quem se gloriará de fazer alguma coisa boa pela própria força, se Cristo diz: “Ninguém pode vir a mim se o Pai que me enviou não o trouxer” (João 6:44)? Quem falará sobre sua própria vontade sabendo que “o pendor da came e inimizade contra Deus” (Romanos 8:7)? Quem ousará vangloriar-se sobre seu próprio conhecimento, reconhecendo que “o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus” (1Coríntios 2:14)? Em resumo: quem apresentará um pensamento sequer, admitindo que não somos “capazes de pensar alguma coisa como se partisse de nós”, mas que “a nossa suficiencia vem de Deus” (2Coríntios 3:5)?
Por isso, devemos insistir nesta palavra do apóstolo: “Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua vontade” (Filipenses 2:13). Pois, somente o entendimento ou a vontade que Cristo opera no homem, está em conformidade com o entendimento e vontade de Deus, como Ele ensina: “Sem mim nada podeis fazer” (João 15:5).
1 Gn 2:7; Gn 3:19; Ec 12:7. 2 Gn 1:26,27; Ef 4:24; Cl 3:10. 3 Gn 3:16-19; Rm 5:12. 4 Gn 2:17; Ef 2:1; Ef 4:18. 5 Sl 94:11; Rm 3:10; Rm 8:6. 6 Rm 1:20,21. 7 Ef 5:8.
Confissão de Fé Belga
Artigo 14