I.      TEMA
              Coisas que eu não posso esquecer.           II.      TEXTO
              Ageu 1:1-11.        III.      OBJETIVO
             Avivamento.        IV.      INTRODUÇÃO
                       
OCASIÃO
Dezesseis anos haviam decorridos após a volta do cativeiro. Esdras, cap. 3, declara que o primeiro pensamento do povo foi reconstruir o Altar e o Templo, porém, surgiram dificuldades. Finalmente, as intrigas políticas paralisaram o trabalho e o zelo e entusiasmo do povo arrefeceu em face dessas dificuldades prolongadas, e mesmo depois de apaziguada a tempestade, ninguém voltou ao trabalho. Surgiu, logo depois, um tempo de aflição – a colheita falhou, houve seca, aflições e tristeza (1:6, 9-11). Ageu foi enviado a interpretar-lhes a calamidade e incentivá-los a deixar sua indolência e desânimo pecaminoso. A expressão “Considerai o vosso passado” que
aparece em outras traduções como “Pensai no que tendes feito” aparece quatro vezes (1:5 e 7; 2:15 e 18) mostra que Deus estava levando o povo a reconsiderar o que estavam fazendo.

O resultado foi bom. Em vinte e quatro dias, o povo reiniciou a obra. Então, outras mensagens animadoras e de conforto foram entregues.
          V.      DESENVOLVIMENTO.
               
1.      Tudo o que você vai fazer em relação a Deus ou aos sonhos de Deus para sua vida, vai precisar enfrentar obstáculos e conflitos.
1.1.   Se você acredita que não tem problema, examine seu pulso. As únicas pessoas que não tem problema estão no cemitério.

1.2.   O nosso verdadeiro problema é a forma como lidamos como os problemas:

1.2.1.      Às vezes tentamos resolver com o nosso próprio poder;

             1.2.2.      Simplesmente desistimos. É desanimador. Sou um fracasso. Acho que nunca vou conseguir. Eu cheguei à conclusão que eu sou um fracasso, porque já tentei por várias vezes e não consegui.               1.2.3.      Queremos culpar alguém – quando nos encontramos em situações difíceis, culpamos nosso passado, nossos pais, o cônjuge ou a vida. Mas, na maioria das vezes, porem, ao podemos atribuir à culpa a ninguém a não ser a nós mesmos.             1.3.   O resultado: quanto mais se empenhavam para se realizarem, eles viam seus sonhos frustrados. (vs. 6-11). Ilustração
“Nas regiões montanhosas da Escócia, as ovelhas andam a esmo pelas rochas e chegam a lugares dos quais não podem sair. O sabor adocicado da relva nessas montanhas agrada os rebanhos. As ovelhas saltam de uma altura de 3 metros ou mais para se alimentarem e não conseguem voltar. O pastor ouve o balido de angustia. Ele as deixa ali durante dias, até que tenham comido toda relva e fiquem tão fracas a ponto de não conseguirem ficar em pé. Sóentão o pastor passa uma corda ao redor delas e resgata da morte. Mas, por que o pastor não tenta salvar quando ouve o primeiro balido? As ovelhas são tão tolas e se concentram tanto no alimento que se afastam do pastor!”

2.      É preciso considerar a aliança que temos com Deus.
       Aliança: no seu sentido específico, a “aliança” é uma relação duradoura e firme, que realizam a vinculação entre Deus e o povo eleito. Qualidades que caracterizam essa aliança são amor e fidelidade. Isso implica em:
2.1.   Que devemos considerar o nosso compromisso com Deus.

2.1.1.      O livro de Ageu trata de três problemas comuns a todos os povos, em todos os tempos, oferecendo soluções inspiradoras. O primeiro problema: o desinteresse (1.1-15) Para despertá-los da sua atitude de indiferença, Deus fala duas vezes ao povo. Primeiro, eles precisam perceber que são infrutíferos (1.5-6), porque eles tinham abandonado a Casa de Deus e ido para sua própria casa (1.7-9). Todo esforço deles para construir seu próprio reino nunca produzirá resultados permanentes. Após ver seu problema, o povo, então, precisa entender que Deus irá aceitar o que eles fazem a fim de que Deus seja glorificado, se eles entregarem a ele o que eles têm (1.8).

2.1.2.      O Segundo problema: Desencorajamento(2.1-9) Ageu leva uma mensagem destinada a tratar decisivamente do desencorajamento. A solução tem duas partes: uma trata do problema urgente; a outra trata de uma solução a longo alcance. Por hora, basta ao povo esforçar-se e trabalhar (2.4). A outra chave para combater o mal é para os construtores saberem que eles estão construindo para o dia em que Deus encher essa Casa com a glória que será maior do que a Glória do templo de Salomão (2.9)

2.1.3.      O terceiro problema: Insatisfação(2.10-23) Agora que o povo está trabalhando, espera uma inversão imediata de todos os seus anos de inatividade. Então o profeta vai com uma pergunta aos sacerdotes (2.12-13) acerca das coisas limpas e imundas e da influência deles sobre a outra. A resposta dos sacerdotes é que a imundície é infecciosa, enquanto a santidade não é. A aplicaç] ]>