I Samuel 17

- Essa mensagem foi adaptada de um sermão pregado pelo pr. Hernandes Dias Lopes com o mesmo tema. Esse episódio bíblico faz parte do imaginário de todos os que cultivam o bom hábito de se familiazar com as narrativas bíblicas mais extraordinárias!

- Quem é que não deseja triunfar na vida? Vencer, galgar passos cada vez mais firmes em direção ao sucesso, ao bem estar quer seja financeiro, pessoal, familiar, ministerial, profissional, enfim… vi nesse meu tempo de férias uma frase, conhecida como “oração da serenidade”:

“…Dá me serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar, coragem para mudar aquilo que pode ser mudado e sensibilidade para distinguir entre tudo isso…”

- Quando a gente percebe nessa narrativa bíblica a figura do gigante, logo nos lembramos dos nossos “gigantes pessoais”. Eles sempre revelam quem de fato somos: covardes ou corajosos. Nem sempre vencemos gigantes com uma pedrada como Davi, mas sempre vencemos fazendo menção do “nome do Senhor”.

- Daí, Adam Clarke vai dizer algo interessante: “O que Golias esperava de suas armas, Davi esperava da parte do nome inefável”. O nome, no pensamento bíblico não significa uma mera designação, nome é parte da personalidade. Com isso, “o nome do Senhor” é extensão de toda a sua potencialidade divina.

- Berkoff caminha ainda mais expondo sobre a excelência do nome de Deus: “então no sentido mais geral da palavra, o nome de Deus é Sua auto-revelação. É um designativo dele, não como Ele existe nas profundezas do Seu Ser divino, mas como Ele se revela especialmente em Suas relações com o homem”.

- Logo, aprendemos com Davi, que na hora do sufoco em meio à luta diária com algum gigante que tenta lhe privar da presença de Deus em sua vida, clame-o pelo nome! Em assim fazendo você terá elementos para vencer qualquer Golias em sua caminhada pela vida. Isso porque se a salvação está no “caminho”, em Jesus, agora quando estando nEle, o socorro certo está sempre “a caminho”.

FT. Para vencer os gigantes da vida você precisa:

01. Tapar os ouvidos à voz de pessimismo do povo. (vv. 10,11)

“E acrescentou: “Eu desafio hoje as tropas de Israel! Mandem- me um homem para lutar sozinho comigo”. Ao ouvirem as palavras do filisteu, Saul e todos os israelitas ficaram atônitos e apavorados.”

- É incrível… mas os nossos gigantes estão nos chamando todo o tempo para um combate. E muitas vezes os nossos gigantes estão dentro de nós. São os “monstrinhos” da nossa alma (alguns deles criados à Toddy).

- O gigante Golias era um homem de mais de 3 metros de altura. Era uma duelista que infundia medo. O rei, seus exércitos e o povo tremia de medo. Durante quarenta dias o gigante afrontou os exércitos de Israel. Ninguém tinha coragem de lutar contra ele. A voz do povo era de total pessimismo. Mas Davi não deixou o pessimismo do povo roubar a sua coragem. Ele enfrentou o gigante e o venceu.

- Existem momentos na vida que precisamos nos esforçar em considerar que: a hesitação em arriscar é o grande responsável pelas derrotas que acumulamos em nossa história pessoal. Todo o povo dizia “é um gigante”!!! Davi pensava “é apenas um gigante!!!”. Isso faz diferença. Não se trata de menosprezar o gigante, mas de supervalorizar o Deus a quem Davi servia.

- “Davi não era crente teórico somente, mas prático. Ele dizia que o gigante não seria problema, pois o Deus dele, era um Deus que já o tinha dado vitória diante de dois gigantes que se arremeteram contra o seu rebanho para os destruir (leão e urso)”. (Wemerson Marinho)

- A voz do povo é uma voz de fracasso. As pessoas comentam sobre a crise. Elas estão derrotadas pela crise. Eles só olham para a altura dos gigantes. Mas é no tempo de crise que se revelam os heróis. É no ventre da crise que nascem os vencedores. Não escute a voz dos pessimistas. Não dê atenção aos medrosos. Você pode derrubar os gigantes. Você pode ser um vencedor.

- Dizem por ai que “a voz do povo é a voz de Deus”. Isto é no mínimo equivocado, pois quem age pelo senso comum nunca consegue vencer. Até mesmo porque o sistema do mundo está orquestrado para o seu fracasso. Ele jaz no Maligno, o que significa que por mais que você tente… sozinho…. você será engolido pelos gigantes que insistem em lhe perseguir! Como diria um poeta de língua espanhola: “o homem é um experimento que não deu certo”.

- Se existe um “Golias” que muita gente que está aqui (incluindo eu) tem que derrotar é: o medo do futuro. Tenho aqui uma citação de Stormie Omartian, autora consagrada em livros sobre a oração: “O futuro é tão incerto que, mesmo quando as coisas estão indo bem, não podemos ficar muito confiantes sobre ele”.

Ilust. A Revista TIME de Abril de 1986 publicou um artigo sobre HOMENS SEM PERSPECTIVA DE FUTURO: * Bethoven – “Esse jovem tem uma maneira estranha de manusear o violino. Prefere tocar suas próprias canções ao invés de aprimorar suas técnicas”. Seu professor o qualificou como sem esperança como compositor.* Walt Disney – Foi despedido por um editor de um jornal por FALTA DE IDÉIAS. Walt Disney foi à falência várias vezes. * Thomas Alva Edson – Seu professor lhe disse que ele era muito estúpido para aprender qualquer coisa. Registrou a patente de mais de 1.000 invenções.*Albert Einstein – Sua tese de doutorado em Bonn foi considerada irrelevante e sofisticada. Alguns anos depois seria expulso da Escola Politécnica de Zurich. * Luiz Pasteur – Foi apenas um estudante medíocre. Em Química foi colocado em décimo quinto lugar num grupo de 22. Inventou a penicilina. * Henry Ford – O primeiro a fabricar carros em série. Foi à falência cinco vezes antes de ser bem sucedido nos seus negócios.

FT. Para vencer os gigantes da vida você precisa:

02. Triunfar sobre as críticas dos que estão à sua volta: (vv. 28-30)

“Quando Eliabe, o irmão mais velho, ouviu Davi falando com os soldados, ficou muito irritado com ele e perguntou: “Por que você veio até aqui? Com quem deixou aquelas poucas ovelhas no deserto? Sei que você é presunçoso e que o seu coração é mau; você veio só para ver a batalha”. E disse Davi: “O que fiz agora? Será que não posso nem mesmo conversar?” Ele então se virou para outro e perguntou a mesma coisa, e os homens responderam-lhe como antes.”

- Olha… quantas vezes nós nos identificamos com essa realidade. Sabemos do nosso potencial em Deus, sabemos que podemos vencer os nossos gigantes interiores, mas vem aqueles “Eliabes” para tentar nos fazer acreditar o contrário. Existem pessoas que são experts em nos colocar para baixo!!!

- Isto porque existem os “exterminadores de sonhos”, aqueles que vivem dizendo “ah… você tem certeza que vai dar certo?”. E essa simples pergunta começa a semear dúvida no coração mesmo daquele que tem todo o potencial para ser bem sucedido no que pensa fazer.

- Agora, existem algumas coisas sobre a crítica que eu gostaria de salientar aqui. Mas, antes quero dar um recado de Deus para você, nas palavras de Rick Warren: “A Bíblia chama Satanás de ´acusador dos nossos irmãos´. Culpar e criticar os membros da família de Deus queixando-se deles é trabalho do Diabo. No momento em que fazemos o mesmo, estamos sendo ludibriados para fazer o trabalho de Satanás.”

a) A crítica machuca quando vem de pessoas que nos conhecem há muito tempo. Eliabe cresceu com Davi. Era seu irmão. Era da própria família. Quando mais íntima é a relação, mas dolorosa é a crítica.

- Vamos rever a fala de Eliabe: “Por que você veio até aqui? Com quem deixou aquelas poucas ovelhas no deserto? Sei que você é presunçoso e que o seu coração é mau; você veio só para ver a batalha”.”

- Gente, Eliabe conhecia a Davi, sabia de sua fidelidade no trabalho de pastor de ovelhas. Foram muitos os recados mandados pelo seu pai que foram dados corretamente por um atencioso Davi. Mas, de repente, “apagou” da memória de Eliabe tudo isso… é incrível como, quando criticamos estamos olhando apenas o nosso lado, nos desfazemos do mínimo de bom senso e justiça.

- Eliabe era alguém que estava acima de Davi, era mais velho, mais experiente… mas, agiu aqui de modo infantil. O ciúme faz isso… Quem abriga ciúmes no coração, ao mesmo tempo fica cego diante das evidências de sentimento, de correção moral, inclusive de próprio senso de exemplo.

b) A crítica machuca quando questiona nossas motivações. Eliabe achou que Davi era motivado pela presunção.

- Eliabe preferiu julgar do que acreditar nas reais intenções de seu irmão. Ele pensou: “esse menino está interessado no oba oba inconseqüente da juventude, e não está considerando a seriedade da batalha que se avizinha.

- Muita gente aqui deve estar pensando: “por que será que sempre tem uma pessoa, e geralmente do nosso convívio mais próximo que insiste em não acreditar no nosso potencial e na sinceridade do nosso coração?” “Por que é tão difícil provar para os da nossa própria casa, que somos capazes de semear sonhos audaciosos?”

- Por isso que John C. Schroeder vai dizer que “o papel de Eliabe é o da irmã feia de Cinderela”. Olha, eu tenho para mim o seguinte: você é quem precisa estar ciente do seu potencial em Deus! Você não tem que viver a vida tentando provar nada para ninguém… apenas, viva para agradar a Deus! Seja como Davi, espere o momento para matar o seu gigante.

- Agora, algo importante: depois de matar o seu gigante não vá se vangloriar, porque na realidade você só conseguiu vencer porque Deus estava com você! O foco de sua vida deve ser a glória de Deus, e não a exaltação de si mesmo! E vida com Deus consiste em fazer de cada monte, um caminho para ser trilhado em fé!

Ilust. Mary Reed foi a primeira missionária de Ohio, EUA, para a Índia. Enquanto passava férias em casa sentiu os primeiros sintomas de lepra e procurou voltar, com urgência, para aterra a qual havia sido chamada por Deus e pelo qual ardia o seu coração. Foi lá, então, que dedicou 53 anos de sua vida servindo entre os leprosos. Quando tinha 88 anos, quebrouseu quadril e logo a seguir faleceu. Seu túmulo, contudo, continua a falar até hoje. Nele existe um texto: “Farei de todos os meus montes um caminho.” Um outro missionário, que a conheceu, testificou: “Certamente ela os fez.”

FT. Para vencer os gigantes da vida você precisa:

03. Desistir de lutar com armas dos outros, para ser autêntico: (vv. 38-40)

“Saul vestiu Davi com sua própria túnica, colocou-lhe uma armadura e lhe pôs um capacete de bronze na cabeça. Davi prendeu sua espada sobre a túnica e tentou andar, pois não estava acostumado com aquilo. E disse a Saul: “Não consigo andar com isto, pois não estou acostumado”. Então tirou tudo aquilo e em seguida pegou seu cajado, escolheu no riacho cinco pedras lisas, colocou-as na bolsa, isto é, no seu alforje de pastor, e, com sua atiradeira na mão, aproximou-se do filisteu.”

- Tem muita gente patética por ai, que vive imitando os outros, com isso deixa de viver a sua própria vida para lutar lutas que não são suas, sofrer dramas que não são seus, expressar sentimentos que não são seus. Alguns nesse processo de “mimetismo” acabam de fato, assumindo para si traços de personalidade dos outros!!!

- Palavra de ordem para você: deixe de lutar com armas que não são suas… pare de imitar modelos de sucesso… pois cada um deve escrever a sua própria história. Concordo com Champlim que vai dizer: “Cada indivíduo tem sua própria prova pessoal a enfrentar. Ninguém pode repousar sobre a glória de seus antepassados ou sobre o valor de seus pais. Cada homem tem sua própria batalha particular a combater, e o seu próprio destino a cumprir”.

- Saul queria colocar uma armadura em Davi que não era dele. Davi disse: “Não posso andar COM ISTO” e “Davi tirou AQUILO de sobre si” (v. 38-39). Não podemos enfrentar gigantes com armas alheias.
- Em tempos de crise as pessoas irão fazer com que você se torne iguais a elas. Seja você mesmo. Você é uma pessoa única, singular. Você pode vencer com os dons e talentos que Deus lhe deu. Você pode vencer no mesmo campo crivado de perdedores.

- Davi usou o que lhe era comum: o cajado, a funda, as pedras, o alforje, ele abriu mão de armas impressionantemente poderosas, para utilizar aquilo que para ele, sempre havia funcionado…

- Pr. Júlio Borges Filho usou em uma mensagem detalhes interessantes das armas de Davi:

a) Seu cajado de pastor de ovelhas, símbolo de amor e proteção do seu rebanho contra os inimigos e perigos mil.

b) Cinco pedras lisas do ribeiro… São pedras lisas, perfeitas, e limpas porque lavadas nas águas puras do ribeiro. Pedras éticas. Sem elas Golias triunfaria. E bastou uma delas para derrotar o temível inimigo.

c) Sua funda – E como Davi a dominava bem!… Era sua arma de uso diário. Treinou durante anos a pontaria e, na hora certa, acertou o único ponto vulnerável do gigante. Atirou a pedra certeiramente na testa de Golias e o abateu. E mais: ele toma a iniciativa do ataque e, de longe, atira a pedra.

d) A espada de Golias – O inimigo abatido, é hora do golpe fatal. O pequeno Davi apossa-se da espada do gigante e, num golpe de mestre, degola-o e exibe sua cabeça desmoralizando seus inimigos e trazendo a moral de volta ao exército de Saul e ao povo de Deus.

- Parei para observar um detalhe impressionante: todo gigante tem um ponto fraco! Golias era a sua testa descoberta! Deus sempre providencia um meio para que, em sensibilidade espiritual identifiquemos os pontos fracos de nossos gigantes!

- Davi entrou na peleja sabendo que é Deus quem nos conduz em triunfo. A vitória vem de Deus. É ele quem fortalece as nossas mãos para a batalha. Ele é o nosso criador, sustentador, redentor, protetor. Não vencemos por causa da nossa sabedoria, força ou estratégias. Saul e seu exército fugiu porque olharam para o tamanho do gigante. Davi venceu porque olhou para Deus.

Ilust. Pr. Hernandes comenta que nos sentir como aquele camundongo que estava atravessando uma ponte nas costas de um elefante. No meio do trajeto sobre o abismo, a frágil ponte balançou na sua estrutura. Quando eles chegaram do outro lado, o camundongo olhou para o seu grande companheiro e lhe disse: “Rapaz, nós chacoalhamos aquele ponte, hein?”. Quando andamos com Deus é assim que nos sentimos, como um camundongo com a força de um elefante; e depois de atravessarmos as águas turbulentas da vida, podemos dizer como o camundongo: “Deus, nós chacoalhamos aquela ponte, hein?”

Gostaria de receber esboços gratuitamente?