A exploração da fé religiosa sempre foi um mercado lucrativo. A forma é parecida com o que acontece na política:  troca-troca de favores. No caso da religião cristã, a transação é entre a criatura e o Criador, e no meio os lobistas (não os que fazem lobby, mas os lobos de quem Jesus falou). Um covil que tem nome e endereço. Mas, assim como em qualquer alcatéia onde a disputa pelo território é voraz e marcada pela urina, lobos vão e lobos vêm. A novidade é que eles têm proliferado nos últimos tempos e vêm atacando não só os apriscos eclesiásticos, mas também os campos seculares. E isto tem despertado a fúria dos fazendeiros.

Lembro-me de dois abigeatos quando trabalhei em Pelotas. Após escrever uma série de artigos no jornal da cidade sobre a Teologia da Prosperidade, um renomado vereador me telefonou pedindo ajuda. Ele não sabia mais o que fazer com a sua esposa que era ludibriada por promessas em troca de dinheiro. A gota d’água foi a “visão” do pastor: ela precisava doar 10 mil reais para ser abençoada e ficar livre do mal. No meu gabinete conversei com esta mulher que parecia perturbada e distante. Não tive mais conhecimento do destino do casal nem dos 10 mil reais. Algum tempo depois outro telefonema parecido, agora de um ex-líder da mesma igreja. Apareceu duas vezes no meu escritório. Era um pequeno empresário e já tinha doado um carro e boa parte de seus bens à igreja. A vida dele continuava na desgraça, apesar das promessas de prosperidade. O que me marcou foi o lamento dele: “Eu sou fiel, cumpro tudo o que eles pedem. Por quê não sou abençoado?”

A maior heresia da Teologia da Prosperidade é a exigência da fidelidade humana para a obtenção das bênçãos divinas. O ensino bíblico é claro: “Todos pecaram e estão afastados da presença gloriosa de Deus. Mas, pela sua graça e sem exigir nada, Deus aceita todos por meio de Cristo Jesus, que os salva” (Romanos 3.23,24). Mas o que fazem estes mercadores? Usam trechos da Bíblia como lhes convêm e anunciam um deus toma-lá-dá-cá. Uma fraude praticada pelo próprio Diabo quando citou a Bíblia para tentar Jesus no deserto.

O Salvador que foi negociado por trinta moedas de prata alertou: “Eu sou o bom pastor; o bom pastor dá a vida pelas ovelhas. Um empregado trabalha somente por dinheiro; ele não é pastor, e as ovelhas não são dele”  (João 10.11,12).  Sem dúvida, quando os dentes e as garras dos lobos crescem na mesma proporção do poder da mídia, todo o cuidado é pouco.

Pastor Marcos Schmidt – Novo Hamburgo (RS)