O ensino de conteúdos bíblicos deve estar obrigatoriamente acompanhado à formação da moral do aluno. E a melhor maneira de formar o caráter de alguém é ensinar com a própria vida. Portanto, professor, praticar aquilo que se ensina é requisito indispensável para aqueles que lecionam na Escola Dominical.
O cristão, como sal da terra e luz do mundo, não adere aos valores da sociedade mundana rebelada contra Deus. Ao contrário, sua vida é orientada pelos altos princípios esposados pelas Escrituras. Enquanto os valores morais do mundo são relativos e mutáveis, os padrões éticos divinos mostram-se infalíveis no combate às trevas morais e espirituais da pós-modernidade: “Lâmpada para os meus pés é tua palavra e luz, para o meu caminho” (Sl 119.105). Portanto, é imprescindível ao crente não apenar afastar-se dos pecados dessa sociedade, mas condená-los com veemência (Ef 5.11). É grande a nossa responsabilidade diante de Deus!

 

I. UM MUNDO SEM A ÉTICA BÍBLICA 

1. O mundo jaz no maligno (1 Jo 5.19). Satanás reina sobre os ímpios. Ele é o pai de todos os que mentem e praticam o mal, imitando-o em suas obras malignas (Jo 8.44; 1 Jo 3.8,10).

 Jesus o chamou de “príncipe deste mundo” (Jo 12.31; 14.30; 16.11). Os homens sem Deus estão subordinados à sua sinistra vontade e, por conseguinte, dominados pelos desejos da carne, pela soberba da vida, e pelo pecado (1 Jo 2.16). Esta é a razão pela qual há tantos males nos corações dos ímpios: atitudes perniciosas, vícios, violência e crimes (Gn 6.2-6). Aqueles que não se orientam pela Palavra de Deus vivem, geralmente, afastados dos preceitos morais e éticos mais elevados.

 2. A trágica situação espiritual do mundo e do Brasil.

 A sociedade descrente está perdida.

 No que diz respeito à saúde e à valorização da vida humana, por exemplo, a situação é caótica. Mais de 40 milhões de abortos são realizados por ano, em todo o mundo. No Brasil, morre todos os anos mais gente vítima de acidente de trânsito (40.000) e de homicídio (50.000) do que nas mais sangrentas guerras do planeta. Os acidentes rodoviários, quase sempre, são causados por motoristas embriagados; e as vítimas dos homicídios, geralmente, são jovens entre 15 e 24 anos.

 E as drogas? Infelizmente, elas têm dominado muitas escolas, faculdades e praças públicas. O sexo livre entre adolescentes e jovens, motivado pela mídia e por uma educação perniciosa, é outro grande problema que enfrentamos nesta sociedade pós-moderna. De fato, conforme diz a Bíblia, o mundo jaz no Maligno.

 3. A falha da sociedade em educar os cidadãos.

 As instituições públicas e privadas, bem como as famílias, têm falhado na educação de nossas crianças, adolescentes e jovens. A razão é muito simples. A sociedade de hoje vem desprezando sistematicamente os princípios morais, éticos e espirituais ensinados pela Palavra de Deus. Muitos adolescentes são induzidos ao falso “sexo seguro” por determinadas associações tidas como educacionais. Nossos jovens recebem pouca ou nenhuma informação acerca do perigo das drogas e, apesar disso, nada é feito para combatê-la efetivamente. Sob o argumento de que as instituições devem ser amorais, a própria sociedade contribui para a falta de moral e ética no mundo.

 

II. PRINCÍPIOS ÉTICOS DA BÍBLIA

1. O princípio da fé (Rm 14.22,23).

 Aqui vemos que o crente deve ter fé, ou seja, convicção diante de Deus quanto ao que faz ou deixa de fazer. Ele não precisa recorrer a modelos humanos para posicionar-se quanto aos seus atos ou palavras. Se tiver dúvida, não deve fazer, pois “tudo o que não é de fé é pecado”.

 2. O princípio da licitude e da conveniência (1 Co 6.12).

 O cristão não deve fazer as coisas simplesmente porque são lícitas, mas porque lhe convém à luz da Palavra de Deus. É lícito, por exemplo, ausentar-se da Escola Dominical para dedicar-se ao lazer? Claro que sim. Mas… Convém? O que não é proveitoso nem útil deve ser evitado. A licitude diz respeito à liberdade do crente, mas a conveniência fala de suas virtudes, valores e responsabilidades.

Aprenda a ser u pregador de excelencia hoje mesmo

 3. O princípio da licitude e da edificação (1 Co 10.23).

  Não basta ser lícita, é necessário que a conduta do crente seja proveitosa para sua edificação espiritual. Devemos rejeitar tudo aquilo que não edifica a vida cristã.

 4. O princípio da glorificação a Deus (1 Co 10.31).

 Este é um princípio elevadíssimo. Tudo o que o crente faz deve ser feito “como ao Senhor e não aos homens” (Cl 3.23); isto é, toda a glória deve ser dada unicamente a Deus.

 5. O princípio da ação em nome de Jesus (Cl 3.17).

  Tudo que o crente faz deve ser feito em nome de Jesus, isto é, debaixo da autoridade e do poder desse nome. Tudo o que você se dispõe a fazer pode ser feito em nome de Jesus?

 6. O princípio do respeito ao irmão mais fraco (1 Co 8.9-13).

 Este princípio fala dos nossos relacionamentos. Aqui, o fundamento é o amor e não a liberdade cristã. A Palavra afirma que não devemos escandalizar o crente mais fraco, mesmo que tenhamos consciência de que o que estamos fazendo não é pecado.

 

III. A ÉTICA CRISTÃ É PARA TODAS AS FAMÍLIASAs leis de muitos países favorecem à imoralidade e à falta de ética na sociedade. Muitas delas são estabelecidas sob a égide de filosofias materialistas, relativistas e pluralistas. A Bíblia, todavia, trás em seu âmago todos os referenciais éticos e morais para a plena felicidade da família em qualquer civilização. Os que os rejeitarem ficarão perdidos, inseguros, sem rumo e orientação. O resultado disso é a tragédia moral que vem se abatendo, especialmente sobre a família, e a sociedade como um todo.

 1. A ética para os pais (Ef 6.4).

 Deus estabeleceu um padrão ético e moral para toda a família. O marido não é apenas a cabeça da mulher, mas da família (Ef 5.22,23; 1 Tm 3.4). Ele deve amar sua esposa como Cristo amou a Igreja; e a mulher deve sujeitar-se ao marido como a Igreja está sujeita a Cristo (Ef 5.22-33). Contudo, a educação dos filhos é dever de ambos, marido e mulher: “E vós, pais” (Ef 6.1). Vejamos alguns princípios éticos para os pais.

 a) O relacionamento com os filhos.

 A Bíblia ensina que os pais não devem provocar a ira a seus filhos, mas sim, criá-los na doutrina e admoestação do Senhor (Ef 6.4). Eles devem ter pelos filhos o mesmo respeito, amor e paciência que o Pai celestial demonstra para com eles. Muitos pais modernos preocupam-se mais com o desempenho de seus filhos na escola, no trabalho e na igreja, do que com o bom relacionamento que devem ter com eles. Em função disso, tratam-lhes com austeridade e injustiça, razão pela qual alguns se tornam desobedientes e rebeldes. Quanto à disciplina, deve ser aplicada com moderação e sabedoria (Pv 19.18; 1 Tm 3.4).

 b) O cuidado com a educação espiritual dos filhos.

 A responsabilidade dos pais sobre os filhos também envolve o crescimento espiritual deles: “criai-os na doutrina e na admoestação do Senhor” (Ef 6.4). “Criar” aqui refere-se tanto ao desenvolvimento do caráter (admoestar) quanto ao ensino no caminho da justiça (doutrina). Os filhos, quando bem instruídos, jamais se esquecem da Palavra de Deus (Pv 22.6). É a educação dos pais que os protege e previne contra as drogas, a prostituição, a imoralidade e todo tipo de vícios e males (Dt 11.18-21).

 

2. A ética para os filhos (Ef 6.1,2).  A obediência dos filhos aos pais deve refletir a mesma submissão manifestada no relacionamento com o Senhor Jesus: “sede obedientes a vossos pais no Senhor” (Ef 6.1). Assim como obedecem a Deus, devem também obedecer aos pais, pois isto é justo e “agradável ao Senhor” (Cl 3.20). Os filhos devem “honrar” os pais porque é um mandamento do Senhor (Ef 4.2). É obedecendo aos pais que eles serão ricamente abençoados por Deus: “para que te vá bem”. Dentre essas prósperas bênçãos está a longevidade: “e vivas muito tempo sobre a terra”.

 

CONCLUSÃO A Palavra de Deus é um guia seguro e infalível para conduzir o crente neste mundo de trevas morais e espirituais. A Igreja do Senhor Jesus Cristo é formada de pessoas que são “sal da terra” e “luz do mundo”. Portanto, sejamos exemplos para esta sociedade pós-moderna.

Fonte: ECB – Escola de Capacitação Biblica