“Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é vosso Pai celeste”

O versículo acima é parte do chamado “sermão do monte” (Mateus 5:48). Neste sermão Jesus ensina aos seus discípulos como deve ser a vida do cristão. O Mestre ensina as bem aventuranças, o valor da lei que se cumpriu nele, a necessidade do testemunho cristão no mundo e muitos valores éticos e morais, além de uma vida piedosa marcada pelo jejum, esmolas e oração. Creio que o verso acima resume bem as expectativas de Cristo quanto a nós. Ele quer que sejamos perfeitos como o próprio Pai Celeste. Tem três cousas importantes aqui:

  1. Nosso propósito é perfeição: O pecado está em nossa natureza, mas Deus não quer que seus filhos se conformem com isso. Deseja ver o esforço cristão contra o pecado, o desejo sempre renovado no coração por santidade. Quer que sejamos luz nas trevas, referência para o mundo. É certo que não conseguiremos atingir a perfeição aqui, mas não podemos jamais deixar de tentar. Temos de buscá-la em todo o tempo.
  2. Nosso modelo é o Pai Celeste: O modelo é alto: o próprio Pai. Ser perfeito como Ele é, Ser santo como Ele é santo. João diz que Deus é luz e não há nele treva nenhuma e Tiago afirma que nele não há mudança e nem sombra de variação. Assim sendo, Ele sempre foi perfeito e sempre o será. Ele é modelo por toda eternidade e o crente redimido O tem como alvo. Um dia o pecado será banido para sempre da presença do Senhor e nesse dia seremos “tal como Ele é” (I Jo.3). Mas, seguimos olhando para o autor e consumador da fé, nutrindo expectativas para ser perfeitos como o Pai celeste.
  3. A busca é imperativa: “Sede perfeitos” não é pedido, mas ordem. Não se pergunta aqui se queremos ser ou se desejamos tentar. Jesus manda ser. É mais uma imperação entre tantas das Escrituras, que o crente sincero buscará praticar. É certo que o nosso esforço não tem nenhum efeito santificador por si mesmo. Cristo é quem nos imputa Sua santidade. Mas creio que Deus deseja ver o desejo e disposição do nosso coração.

Você quer ser santo? Deseja obter perfeição como o do Pai? Que a graça dele nos assista!