“Conceição, eu me lembro muito bem, vivia no morro a sonhar, com coisas que o morro não tem” (Cauby Peixoto)

      Quem um dia não sonhou em ser médico, astronauta, jogador, astro do rock, etc. Eu, por exemplo, já sonhei em ser até engenheiro civil (digo até, porque gosto tanto de matemática quanto gosto de buchada argh!). Ou não se imaginou fazendo uma viagem em lugares exóticos, explorando o desconhecido, vivendo novas culturas….Não falo apenas dos sonhos que mudam o seu mundo, mas daqueles também capazes de mudar o nosso mundo. De participar de algo extraordinário que revolucionária a vida das pessoas, a ordem mundial, até mesmo os sonhos de “miss” pela paz mundial!

Mas, quando é que os sonhos acabam? Ou, quando é que eles se apequenam?  Quando é que nos tornamos “maduros” e não nos permitimos mais viver além da nossa realidade? E com os sonhos, também vão embora os ideiais, o espírito revolucionário, a paixão…

A maioria das pessoas ficam apenas nos sonhos possíveis. Casarem se, ter um emprego legal, cursar uma faculdade (as vezes a mais conveniente, de acordo com o mercado) ter filhos, comprar um carro, etc. O engraçado é que, quando essas pessoas alcançam seus objetivos estes começam a perder o sentido. Aquilo que antes era o o alvo, se torna o motivo do nosso enfado.

 E por que os sonhos acabam?  Será por causa da dura realidade? Da falta de recursos? De incentivo? A verdade é que, a maior parte de nós visualisamos a derrota antes mesmo da batalha; ouvíamos o “não” antes mesmo de fazermos as perguntas; nos resignamos sem ao menos tentar, criamos na mente medos que nunca se concretizarão….

Pare para pensar: se você pudesse voltar cinco, dez anos atrás – você está vivendo como sonhava (ao menos chega perto????). E como serão os próximos cinco ou dez anos? Ao olhar para trás será que você estará satisfeito ou juntando os cacos daquilo que poderia ter sido ?

Aproveite esse fim de ano para fazer uma faxina na alma, rever sua vida, e tome uma decisão em relação aos seus sonhos. A partir daí, viva um momento de cada vez e não perca o foco. A cada passo permaneça firme (apesar dos inimigos naturais dos nossos sonhos) e de repente….

Será que não é um bom momento para você refletir em como será o resto da sua vida?