1 Coríntios 6:12– Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas.
1 Coríntios 10:23 –Todas as coisas são lícitas, mas nem todas convêm; todas são lícitas, mas nem todas edificam.
Introdução:
A.    Hoje, vive-se uma grande euforia em nosso país, sobre o suposto crescimento do número de evangélicos.
B.     Fale-se em 42,3 de evangélicos, segundo dados do IBGE, censo 2010.
C.    Eu interpreto estes dados com muita cautela e até com certa preocupação.
D.    Afinal de contas, somente pode ser chamado de evangélico àquele que de fato vive o Evangelho.
E.     Muito mais do que um conjunto de dogmas, regras e proibições; o verdadeiro cristianismo é um conjunto de princípios práticos de vida que mudam radicalmente o comportamento de uma pessoa.
F.     Agora imaginemos, 42,3 milhões de pessoas vivendo o verdadeiramente o Evangelho, a Palavra de Deus, os Princípios de Jesus – Que tremenda revolução espiritual nós estaríamos vivendo!
G.    Por favor, não me interpretem mal – Não é a minha intenção julgar ninguém e muito menos, dizer que eu sou o cara ou que vivo o Evangelho melhor do que as demais pessoas.
H.    Simplesmente quero lembrar que quando se vive os verdadeiros princípios cristãos, faz-se um grande e tremendo impacto na sociedade na qual se está inserido. Pelo menos foi isso que aconteceu com os primeiros cristãos – Vejamos estes dois testemunhos impressionantes:
1)      Testemunho do Sinédrio sobre Pedro e João – Atos 4:13 – Ao verem a intrepidez de Pedro e João, sabendo que eram homens iletrados e incultos, admiraram-se; e reconheceram que haviam eles estado com Jesus.
2)      Testemunho dos Tessalonicenses não cristãos sobre os cristãos Atos 17:6b. – Estes que têm transtornado o mundo chegaram também aqui.
I.       Cabe lembrar as palavras de Jesus acerca da verdadeira fé – Mateus 7:20 – Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis.
J.      E de Paulo sobre a atitude dos que se autodenominam evangélicos – Filipenses 1:27 – Vivei, acima de tudo, por modo digno do evangelho de Cristo, para que, ou indo ver-vos ou estando ausente, ouça, no tocante a vós outros, que estais firmes em um só espírito, como uma só alma, lutando juntos pela fé evangélica.
K.    Como evangélicos, precisamos viver os princípios bíblicos que regulam o comportamento do cristão.
L.     Apresento aqui a primeiro parte de uma série de sermões que estou pregando na Igreja Batista Emanuel, em Frutuoso Gomes/RN; intitulada: Princípios que Regulam o Comportamento do Cristão.

I. O Princípio da Obediência À Palavra de Deus – Tem que ser aceitável diante da palavra de Deus – 12a. – Todas as coisas me são lícitas.
A.     Algo somente pode ser definido como lícito ou ilícito do ponto de vista de uma lei.
B.     Como cristão, A Bíblia Sagrada é a nossa Lei maior, o prumo da nossa conduta Amós 7:8  – O SENHOR me disse: Que vês tu, Amós? Respondi: Um prumo. Então, me disse o Senhor: Eis que eu porei o prumo no meio do meu povo de Israel; e jamais passarei por ele.
C.     Este prumo, a Bíblia Sagrada é infalível – Salmos 19:7 – A lei do SENHOR é perfeita e restaura a alma; o testemunho do SENHOR é fiel e dá sabedoria aos símplices.
D.    Ele deve direcionar a nossa conduta, ações e decisões. Agora, imaginemos se o aborto foi liberado em nosso país? Como você agirá diante dessa permissão, se a Bíblia Sagrada determina – Êxodo 20:13 – Não matarás.
E.     Este é um dos perigos dos regimes democráticos – Aquilo que a maioria aceita e as autoridades dão o seu aval, acaba se tornando lícito, mas se tais comportamentos “lícitos” forem contrários à Palavra de Deus, como você agirá? O que você fará? Como você agirá?
F.     Devemos, portanto, “passar o prumo” em nossas vidas, condutas, ações e decisões, ela dirá o que é lícito ou ilícito.

II. O Princípio da Conveniência – Tem que ser uma prática conveniente, sem aparência do mal – V. 12b. – Mas nem todas convêm.
A.    Além de ser lícito, deve ser conveniente.
B.     Exemplos:
1)      Entrar em um bar para beber um refrigerante, pode ser lícito, mas não é conveniente.
2)      Um homem que vai sozinho no seu carro e dá uma carona a uma mulher (que não é a sua), pode ser uma conduta licita, mas não é conveniente.
C.     Aquilo que mesmo não sendo mal em si mesmo, mas que tem aparência de mal, deve ser evitado, porque é inconveniente
1 Ts 5:22 – Abstende-vos de toda aparência do mal.

III. O Princípio da Liberdade  – Não poder me dominar, escravizar-me – V. 12c. – Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas.
A.     Aqui entra a questão dos vícios – Qualquer vício é pecado, pois escraviza e tira a liberdade.
1)      O cigarro.
2)      A bebida.
3)      As drogas de modo geal.
4)      Televisão – Se for um vício.
5)      Internet – Se for um vício.
B.     Como cristãos nós devemos ser dominados pelo Espírito Santo de DeusGal. 5: 19-23 – Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam. Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei.
C.     Notem as palavras de Paulo Gálatas 5:1 – Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão.

IV. O Princípio Da Edificação  – Devo praticar aquilo que trazer benefícios para a vida minha vida espiritual e para a vida espiritual dos meus irmãos em Cristo – 1 Coríntios 10:23 – Todas as coisas são lícitas, mas nem todas convêm; todas são lícitas, mas nem todas edificam.
A.    A edificação deve ser entendida em duas esferas:
1)      Primeiramente, coletiva – Edificação da Igreja.
2)      Em segundo lugar, Pessoal – Edificação de mim mesmo.
B.     A palavra edificação significa:
1)      Aquilo que faz bem à vida espiritual.
2)      À Fé.
3)      Ao amor.
4)      À união
C.    Exemplos positivos: Orar, evangelizar, ler a Bíblia, ir ao templo.
D.    O princípio da edificação é muito importante, pois regula vários aspectos do comportamento cristão. Alguns exemplos:
1)      Por que devo desejar os dons? – 1 Coríntios 14:12  – Assim, também vós, como desejais [dons] espirituais, procurai sobejar [neles,] para a edificação da igreja.
2)      Que coisas devo buscar? – Romanos 14:19 – Assim, pois, seguimos as coisas da paz e também as da edificação de uns para com os outros.
3)      Que palavras devem sair da minha boca? – Efésios 4:29 – Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem.
4)      Até que ponto posso satisfazer aos interesses do meu próximo?– Romanos 15:2 – Portanto, cada um de nós agrade ao próximo no que é bom para edificação.
5)      De que maneira posso contribuir na excelência do culto que prestamos a Deus?
1.  1 Coríntios 14:26 – Que fazer, pois, irmãos? Quando vos reunis, um tem salmo, outro, doutrina, este traz revelação, aquele, outra língua, e ainda outro, interpretação. Seja tudo feito para edificação.
2.  Ef. 5:19-21 – Falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com hinos e cânticos espirituais, dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo.
6)      O que é mais importante que eu busque: O conhecimento ou o amor? – 1 Coríntios 8:1b. – O saber ensoberbece, mas o amor edifica.

V. O Princípio do Amor e do cuidado com a vida espiritual do meu irmão –  Deve-se fazer todo esforço para promover o bem do meu irmão e jamais escandalizá-lo ou fazê-lo tropeçar:
A.     Os dois maiores mandamentos cristãos são: Amar a Deus sobre todas as coisas e o nosso próximo como a nós mesmosMateus 22:35-40 – E um deles, intérprete da Lei, experimentando-o, lhe perguntou: 36  Mestre, qual é o grande mandamento na Lei? 37  Respondeu-lhe Jesus: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. 38  Este é o grande e primeiro mandamento. 39  O segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. 40  Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.
B.     Que
m procura cumprir estes dois mandamentos, fará todo esforço para agradar a Deus e promover o bem do seu próximo, principalmente, do seu irmão em Cristo.
C.     Aí surge um alerta muito sério:
1) O meu comportamento, modo de falar e de vestir poderá  escandalizar e fazer tropeçar o meu irmão em Cristo.
2)  Como crente, devo olvidar todo esforço para que eu não seja uma pedra de tropeço para o meu irmão em Cristo.
D.    Precisamos saber que esta é uma questão muitíssimo importante para Deus:
1)      Jesus falou sobre isso – Marcos 9:42-50:
1.   E fez uma séria ameaça aos que fazem tropeçar um cristão   – Marcos 9:42 – E quem fizer tropeçar a um destes pequeninos crentes, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma grande pedra de moinho, e fosse lançado no mar.
2.      E ordenou que tirássemos da nossa vida qualquer coisa que seja motivo de tropeço – Marcos 9:43-49 – E, se tua mão te faz tropeçar, corta-a; pois é melhor entrares maneta na vida do que, tendo as duas mãos, ires para o inferno, para o fogo inextinguível 44  onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga. 45  E, se teu pé te faz tropeçar, corta-o; é melhor entrares na vida aleijado do que, tendo os dois pés, seres lançado no inferno 46  onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga. 47  E, se um dos teus olhos te faz tropeçar, arranca-o; é melhor entrares no reino de Deus com um só dos teus olhos do que, tendo os dois seres lançado no inferno, 48  onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga. 49  Porque cada um será salgado com fogo.
3.   E determinou que sejamos como o sal, que tempera e transmite o seu sabor aos alimentos – Marcos 9:50  – Bom é o sal; mas, se o sal vier a tornar-se insípido, como lhe restaurar o sabor? Tende sal em vós mesmos e paz uns com os outros.
2)      Paulo falou sobre isso – Romanos 14:13-23:
1.    Em vez de julgar o nosso irmão, devemos julgar o nosso comportamento para não fazê-lo tropeçar – Romanos 14:13  – Não nos julguemos mais uns aos outros; pelo contrário, tomai o propósito de não pordes tropeço ou escândalo ao vosso irmão.
2.   Devo evitar aquelas coisas que mesmo que pareçam lícitas, enfraquecem a fé do meu irmão ou o fazem tropeçar – Romanos 14:14-16 – Eu sei e estou persuadido, no Senhor Jesus, de que nenhuma coisa é de si mesma impura, salvo para aquele que assim a considera; para esse é impura. 15  Se, por causa de comida, o teu irmão se entristece, já não andas segundo o amor fraternal. Por causa da tua comida, não faças perecer aquele a favor de quem Cristo morreu. 16  Não seja, pois, vituperado o vosso bem.
3.  Para isso, devemos priorizar as coisas que têm valor espritual, em detrimento das materiais – Romanos 14:17-18 – Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo. 18  Aquele que deste modo serve a Cristo é agradável a Deus e aprovado pelos homens.
4.      Devemos substituir a atitude movida pelo egoísmo por um amor sincero e cuidado pelos nossos irmãos – Romanos 14:19-21 – Assim, pois, seguimos as coisas da paz e também as da edificação de uns para com os outros. 20  Não destruas a obra de Deus por causa da comida. Todas as coisas, na verdade, são limpas, mas é mau para o homem o comer com escândalo. 21  É bom não comer carne, nem beber vinho, nem fazer qualquer outra coisa com que teu irmão venha a tropeçar ou se ofender ou se enfraquecer.
5.      Se tiver dúvida quanta a uma ação ou a uma palavra, se farão mal a mim ou a outros, devo evitá-la – Romanos 14:22-23 – A fé que tens, tem-na para ti mesmo perante Deus. Bem-aventurado é aquele que não se condena naquilo que aprova. Mas aquele que tem dúvidas é condenado se comer, porque o que faz não provém de fé; e tudo o que não provém de fé é pecado.
E.     Em suma, antes de dizer ou fazer qualquer coisa, devo perguntar: Que consequência isso trará a minha igreja e aos meus irmãos?
1)  Vejamos mais uma vez as palavras de Paulo1 Cor. 8:8-13 –  Não é a comida que nos recomendará a Deus, pois nada perderemos, se não comermos, e nada ganharemos, se comermos. 9  Vede, porém, que esta vossa liberdade não venha, de algum modo, a ser tropeço para os fracos. 10  Porque, se alguém te vir a ti, que és dotado de saber, à mesa, em templo de ídolo, não será a consciência do que é fraco induzida a participar de comidas sacrificadas a ídolos? 11  E assim, por causa do teu saber, perece o irmão fraco, pelo qual Cristo morreu. 12  E deste modo, pecando contra os irmãos, golpeando-lhes a consciência fraca, é contra Cristo que pecais. 13  E, por isso, se a comida serve de escândalo a meu irmão, nunca mais comerei carne, para que não venha a escandalizá-lo.
2)  Paulo também diz 1 Cor. 10:32-33 – Não vos torneis causa de tropeço nem para judeus, nem para gentios, nem tampouco para a igreja de Deus, 33  assim como também eu procuro, em tudo, ser agradável a todos, não buscando o meu próprio interesse, mas o de muitos, para que sejam salvos.
Pr. Hiramar Paiva, 09/12/2013.