Introdução:
  Este salmo é um cântico de romagem. Era entoado nos momentos de peregrinação para a cidade santa. Cantando pelas estradas se podia refletir melhor sobre as bençãos incontáveis que Deus derrama sobre a vida de seu povo.
  Foi escrito por Jedidías, que é Salomão, filho de Davi. Salomão foi rei, rico e sábio. Viveu momento interessantes: abençoado por Deus com paz no seu reinado, ausência de conflitos violentos em sua família como aconteceu com Davi seu pai, conhecido por sua sabedoria, riqueza e esplendor. Ele construiu o templo do Senhor na cidade de Jerusalém.
  Parece que depois de observar tudo que suas mãos fizeram, ele conclui que Deus sempre esteve na direção de tudo. Só foi sábio, rico e bem sucedido por Deus o abençoou.
  Segundo ele narra em Eclesiastes, quando ficou entregue a si mesmo, cometeu pecados e entristeceu-se. Quando voltou-se ao Senhor descobriu que viver com Deus é a melhor coisa que o homem pode fazer.
  Neste salmo, ele lista quatro áreas onde Deus abençoa. Vejamos:
1ª) V.1A “Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam: Construção, trabalho, edificação.
  A primeira área de benção do Senhor tem a ver com a produção, o propósito na vida, a construção, o trabalho.
  A primeira questão a considerar é a palavra “casa”. Alguns comentaristas dizem que a casa aqui é referência ao templo que Salomão edificou em Jerusalém. Se assim for, o ensinamento deixado para nós é que necessitamos de Deus para edificação espiritual das nossas vidas. É dele a iniciativa de habitar entre nós. Ele se coloca no meio do seu povo e os abençoa com sua presença.
  “Casa” também pode ser entendida como cidade. A cidade de Jerusalém por exemplo. Capital de Israel, lugar de experiências extraordinárias do povo com Deus. Povo da aliança que vivenciou libertação das mãos dos inimigos (Sl.125), livramentos de adversidades corriqueiras da vida (Sl.121) e a alegria de estar na casa de Deus em culto e celebração (Sl.122). A cidade de Davi foi dada pelo Senhor e torna-se símbolo de benção de Deus na aliança feita com o rei e com o povo. Mas, pode ser entendida como qualquer cidade. Feliz é a nação cujo Deus é o Senhor. Todo ajuntamento edificado com a ajuda de Deus é abençoado. Deus se faz presente no meio do seu povo onde quer que ele esteja.
  “Casa” pode ser lar ou família. Como o próprio salmo explica mais à frente e como o Salmo 128 descreve, a aliança de Deus é aliança com a família. O chamado de Abrão para ser benção a todas as famílias da terra, a decisão de Josué de servir ao Senhor com sua casa, são exemplos disso. No 128 se vê como Deus abençoa a vida do lar que O teme e serve.
2ª) V.1B – “Se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela”.
  A segunda área de benção de Deus é a segurança.
  Cidade aqui lembra ajuntamento de família e também todo o povo de Deus na cidade de Davi. Fato é que Deus é quem torna um lugar seguro.
  Os homens tomavam precauções ao edificar uma cidade: No alto de um monte, dificultava a chegada do inimigo e favorecia a visão de quem estava em cima (Sl.125). Em volta da cidade havia muralhas e fosso. Em cima das muralhas estavam as sentinelas dia e noite (Sl.130). Dentro da cidade estava um exército bem preparado para a guerra.
  Apesar de tudo isso, muralhas como a de Jericó caíam e exércitos numerosos eram desbaratados. As tentativas humanas de segurança são provisórias e falhas. Só Deus torna um lugar realmente seguro (Sl.124).
  Falando de lar, podemos colocar “muros” em torno da nossa família. Podemos ensinar, admoestar e corrigir, mas a graça de Deus é que torna o lar um lugar seguro. Podemos ter muitos filhos para guerrear contra o inimigo, mas como no caso de Jó, podemos perder todos eles. Deus é quem abençoa uma família com paz. Deus é quem edifica e protege a casa.
3ª) A terceira área em que Deus abençoa é a da provisão: v.2 – “Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão que penosamente granjeastes; aos seus amados Deus o dá enquanto dormem”.
  Não se ensina o ócio aqui. Salomão não diz para o homem cruzar braços e pernas e viver esperando o maná cair toda manhã.
  Aos Tessalonicenses Paulo disse: “Quem não quer trabalhar também não coma”. No éden, embora houvesse abrigo e comida, o homem teve trabalho definido por Deus.
  O que Salomão condena é o fato do homem confiar em si mesmo e fazer do trabalho a finalidade última da vida. Ainda que o trabalho dê frutos abundantes, precisamos lembrar que : Deus deu saúde, preservou a vida, favoreceu a terra com chuva no tempo certo, fez a terra germinar, etc.
  Em última instância, a mão de Deus está por trás das nossas mãos. Confiar em nossa força e riqueza é afrontar Deus. E viver para o trabalho “é vaidade e correr atrás do vento”.
  Além disso, Salomão ensina a providência do Senhor, que dá sustento ao seu povo enquanto ele se recompõe no sono. A intenção aqui é mostrar que enquanto o homem descansa, Deus trabalha. (Sl.23, 128.2, 103.1-5; 147.7-9).
  Jesus ensinou a orar pelo pão de cada dia para estimular nossa dependência de Deus e nossa gratidão pela provisão.
4ª) A quarta área que Deus abençoa é a familiar. V.3-5
  De forma especial com filhos.
  Filhos são o cumprimento da frase: “Serão os dois uma só carne”. O propósito sublime do casal.
  Filhos são herança do Senhor: Coisa preciosa, pertencentes a Deus, que nos é dada para administrarmos da melhor maneira possível para progresso.
  Filhos são Galardão: recompensa, presente, benção de Deus ao casal.
  Filhos são flechas na mão do guerreiro: Responsabilidade ao fazer, preparar e usar.
  Filhos são sustentação do lar: quanto ao número, quanto à força, quanto a perpetuação.