Quem esteve ontem (23/11/2012), na escola Latorre,  teve a chance de viver aqueles momentos raros em que ainda vale a pena acreditar na função docente. Um grupo de alunos, considerados indisciplinados e que ostentam, com orgulho (da parte deles, é claro) a alcunha de serem a “pior” classe da escola entre as 6ª séries, fizeram uma emocionante e impresionante apresentação de poesias e representações por meio de dança, teatro e música. Era engraçado, ao final de cada apresentação, quando era necessário puxar as cortinas (uma cortina improvisada de TNT)  para trocas de roupas e personagens, a vibração e entusiasmo como eles se comportavam. Nenhum dos professores deixou de comentar a beleza do espetáculo proporcionado por esses alunos.
      Aquele foi dos momentos raros em que aprendemos como as artes podem libertar a consciência humana e modificar a forma como as pessoas se vêm, julgam, dialogam, crescem, etc. Depois dessa apresentação fiquei mais convicto de alguns pressupostos:
  • Acredite sempre nas pessoas. Ninguém (acredite em mim) esperava daquela turma algo tão sublime e impressionante. O ser humano é, sem dúvida, a obra prima da criação, por isso, sempre que possível, invista em alguém seu tempo, dinheiro, conhecimento, influência, enfim, qualquer coisa que possa ajudá-lo a extrair o melhor de si mesmo; 
  • Comtemple o belo – como foi prazeroso ouvir na voz daquelas crianças (é assim que e as vejo) poemas consagrados de escritores famosos e, também, poesias autorais com comprometimento e emoção (as vezes um pouco desajeitados, confesso). Então, leia um bom livro, se não gosta muito, escute boa música; ou ainda, ao passear por um parque ou jardim, não deixe a pressa tirar o prazer de interagir com a paisagem e com o que os outros estiverem falando com você. Absorva cada palavra, cada olhar, cada sorriso, cada cor…Um encontro com essas coisas ou com essas pessoas pode traduzir um bom encontro consigo mesmo mais tarde!
  • Invista em alguém – não dá para passar em branco aqui sem mencionar o esforço da Maria do Carmo, a professora que aceitou o desafio (que parecia impossível) de ajudar aquelas crianças em todo esse processo. Quantos artistas brilhantes, ou qualquer que seja a vocação, não passam diariamente despercebidos pela maioria, esperando talvez uma alma generosa e paciente, que como ourivez ou o artista plástico, consegue transformar coisas aparentemente sem valor em objetos de rara beleza. Como no dito do grande artista Michelangelo Buonarroti (aquele mesmo da Capela Cistina):  “Em cada bloco de mármore vejo uma estátua; vejo-a tão claramente como se estivesse na minha frente, moldada e perfeita na pose e no efeito. Tenho apenas de desbastar as paredes brutas que aprisionam a adorável aparição para revelá-la a outros olhos como os meus já a vêem. Nas palavras do mesmo artista: “Observei o anjo gravado no mármore, até que eu o libertasse”. 
E, a propósito, não esqueça: Invista em você! Por quê? Deus criou você como uma pessoa única, especial, e, creio, para coisas e experiências também únicas e significativas. Talvez o desânimo tenha te abatido (uma boa notícia, nessa você não está só, tenha certeza disso). Recomece, aposte, erre, estou certo que você ainda não descobriu e viveu todo propósito que Ele deixo a sua disposição quando pensou em você!